Top Top: Heróis da Literatura




Héroi. Do latim heros, termo usado para designar o personagem central de uma obra literária, fosse esta narrativa ou dramática. Já na mitologia grega o herói aparece como um ser intermediário, filho da união entre homens e deuses, tais como Perseu, Hércules ou Aquiles. Nele estariam reunidas todas as qualidades necessárias para empreender uma grande jornada ou para vencer obstáculos excepcionais, assim como muitos outros atributos considerados positivos, como coragem, altruísmo, inteligência e senso de justiça.  Ainda hoje, embora a concepção do herói como ente entre o humano e o divino tenha se modificado, ele ainda é visto como um arquétipo importante, que incorpora o que há de melhor na humanidade. Na literatura isto se reflete em uma miríade de heróis e heroínas, que nos alegram e também nos fazem sofrer, chorar e temer por eles, ao acompanhar suas aventuras.

Existem vários tipos de heróis e heroínas literários, com várias qualidades extraordinárias, porém diferentes em sua natureza. Alguns se destacam por sua sagacidade, outros por sua força, outros ainda pela sua bondade. Elaboramos então uma lista com aqueles heróis e heroínas que mais habilmente conquistaram nosso coração pela forma intrépida com qual enfrentaram o mal.

Atenção: esse texto contém spoilers dos livros aos quais os heróis pertencem! Recomenda-se cuidado ao ler!



1º Frodo Baggins e Samwise Gamgee
 Em primeiro lugar temos uma dupla de respeito, criada por ninguém mais ninguém menos que J.R.R Tolkien. Motivada por nada além de sua vontade de salvar a Terra Média do domínio do maléfico Senhor do Escuro Sauron, a simpática dupla de hobbits deixa o conforto de suas tocas no Condado para embarcar em uma missão praticamente suicida que os levará até Mordor, o reino do inimigo, a fim de destruir o Um Anel, fonte de todo o poder de Sauron. No caminho eles enfrentam inúmeros obstáculos, tais como Orcs ferozes, aranhas gigantes e até um Balrog. Porém nada os faz esmorecer em sua missão, nem mesmo quando toda a esperança parece estar perdida. Espírito heroico estes dois tem de sobra!



 2º O Trio Dourado de Hogwarts (Harry Potter, Hermione Granger e Ronald Weasley)
Como não mencionar o trio de bruxos criado por J.K.Rowling? Juntos eles foram capazes de enfrentar Lorde Voldemort, o maior bruxo das trevas de todos os tempos, e evitar que ele tomasse o poder do mundo bruxo. Passando por inúmeros desafios, eles não se deixaram abalar, mesmo tendo sofrido com diversas perdas. Harry com sua coragem e perseverança, Hermione com sua aguçada inteligência e esperteza e Rony com sua lealdade conquistaram uma multidão de leitores, que acompanharam e ainda acompanham suas aventuras. 


3º Jane Eyre
A vida de Jane Eyre, personagem criada por Charlotte Brönte, desde o inicio não foi nada fácil. Criada por uma tia que a desprezava, ainda na infância ela foi mandada para um colégio interno, onde passou por diversas humilhações. Porém a perseverante Jane se dedicou a seus estudos e a se aprimorar cada vez mais. Mesmo depois de todas as humilhações ela prosseguiu em sua busca pela felicidade. Depois, quando finalmente concluiu seus estudos ela começou a trabalhar como governanta na mansão de Thornfield Hall, onde conheceu o misterioso Sr. Rochester, por quem se apaixonou perdidamente. Porém, apesar de corresponder ao amor de Jane, Rochester guardava um obscuro segredo que ameaçava a felicidade dos dois. Ao longo de todo o livro Jane se coloca como uma jovem determinada, inteligente e corajosa, que se recusa a permitir que atitudes malignas de outrem determinem sua autoestima ou afetem a bondade do seu coração. 


4º  Sherlock Holmes
 Elementar meus caros! O maior de todos os detetives não poderia estar de fora desta lista. Criado por Sir Arthur Conan Doyle, Sherlock Holmes se tornou um personagem icônico, por, com sua inteligência aguçada, desvendar os mais escabrosos mistérios na Inglaterra vitoriana. Com seu impecável método de dedução, Sherlock é capaz de perceber todos os detalhes de um crime, e, com isto, não só elucidar a identidade dos criminosos, mas também seus motivos e intenções.  Ao longo de quatro romances e cinco livros de contos, Sherlock nos brinda com o que há de melhor no gênero da literatura policial. The game is on!


5º Elizabeth Bennet e Mr. Darcy
 Um casal fantástico criado pela pena de Jane Austen, que com sua perseverança prova que no final o amor sempre vence, ainda que tenha de passar por cima de toda a hipocrisia e diferenças sociais. Filha de uma família de condições financeiras limitadas, Elizabeth Bennet é pressionada pela mãe a conseguir um casamento vantajoso, como forma de garantir seu futuro. Porém a jovem se recusa a entrar em um casamento sem amor. Entra o charmoso Mr. Darcy, jovem rico, porém orgulhoso, que de inicio deixa uma péssima impressão em todos que o conhecem, inclusive em Elizabeth. Porém, ao se apaixonar pela jovem Lizzie, Darcy deixa seu orgulho de lado e se torna um ser humano melhor, mais generoso. Lizzie, ao ver esta mudança, começa também a ver Darcy com outros olhos, e a deixar de lado a antiga visão preconceituosa que tinha dele. Eles passam então a compreender um ao outro e criam uma doce cumplicidade. Por essas e por outras o casal de “Orgulho e Preconceito” continua a fazer muitos de nós suspirarem.


6º Jean val jean
Criado pelo escritor Victor Hugo o prisioneiro 24601 é outro personagem cuja a vida não foi nada, mas nada fácil. Condenado por roubar um mísero pão para alimentar a família da irmã, Jean val Jean acabou indo comer o pão que o diabo amassou na prisão durante vinte anos. Uma vez concluída sua sentença, tampouco seu sofrimento acabou: como ex-presidiário ele viu que mal ganhava o suficiente para sobreviver, isso quando conseguia algum trabalho. Porém, após encontrar com o bondoso Bispo Myriel, Jean val Jean resolveu recomeçar a vida, deixando seus tempos de prisão e seu antigo nome para trás. Porém, o passado continuou o assombrando na figura soturna de Javert, policial determinado a fazer o herói voltar a ver o sol nascer quadrado. Caridoso, Jean val Jean se comprometeu a criar como sua filha a pequena Cosette, filha de Fantine, uma jovem mãe solteira que, por desespero, acabou  caindo na prostituição e terminou por morrer tuberculosa.  Até mesmo piedade para com seu maior inimigo, Javert, Jean val jean demonstra.  Bondade assim é coisa rara mesmo.


7º Os irmãos Pevensie
Quando foram mandados para morar uns tempos na casa de um velho professor no campo, devido aos bombardeiros de Londres durante a Segunda Guerra Mundial, os irmãos Peter, Edmund, Susanna e Lucy Pevensie não imaginavam em que aventuras acabariam se envolvendo! Ao encontrar uma passagem para o reino mágico de Nárnia no fundo de um velho guarda-roupa, Lucy ficou encantada, mas o que ela não sabia era que neste reino a vinda dela e de seus irmãos já era esperada. Eles eram os heróis lendários que, segundo uma antiga profecia, enfrentariam e venceriam, com a ajuda do leão Aslan, Jadis, a malvada feiticeira branca, que com seus poderes havia tomado o poder e transformado vários habitantes de Nárnia em pedra. Passando por diversos desafios e até mesmo por sérios problemas familiares (é Edmund, estou olhando para você), os irmãos acabam por se unir e lutar valentemente contra o mal, não só uma vez, mas várias vezes depois disso. Eles também voltariam a Nárnia anos depois para ajudar o Príncipe Caspian a recuperar o trono que era dele por direito, e, no caso de Lucy e Edmund, para viver várias aventuras a bordo do navio Peregrino da Alvorada.


8º  Liesel Meminger: 
A jovem protagonista de “A menina que roubava livros” literalmente rouba a cena com sua coragem e desejo de aprender. Órfã ainda criança, pobre e bastante solitária, a jovem vê nos livros um refúgio para uma existência difícil, em uma Alemanha onde o nazismo se encontra em plena ascensão. Porém à medida que os livros deixam uma marca em sua vida, Liesel vai se tornando uma pessoa cada vez mais solidária, consciente dos males causados pela ideologia nazista e pela guerra que esta ideologia impôs ao mundo. 




9º Maurice Hall
Filho de uma família inglesa de classe média alta nos anos de 1900, Maurice, o protagonista criado por E.M. Forster, tinha tudo para não ser um herói. Ele não é particularmente mais esperto que uma pessoa normal, nem mais habilidoso ou criativo. Porém, quando começa a frequentar a universidade de Oxford, o jovem Maurice começa a conhecer a si mesmo verdadeiramente e se descobre homossexual, o que não era nada fácil para um rapaz inglês em uma época na qual a homossexualidade era considerada crime na Inglaterra e punida com anos de prisão. Depois de um longo conflito interno e até de uma malfadada tentativa de “curar” sua homossexualidade, Maurice acaba por se aceitar plenamente como é e por buscar a felicidade, mesmo que para isso tenha que começar uma vida nova, longe de tudo e todos que ele conhece.


10º Alice
Criada pela pena de Lewis Carroll, Alice é com certeza a heroína mais curiosa em nossa lista. Nada detém sua curiosidade, nem mesmo as mais absurdas situações apresentadas pelo País das Maravilhas. Seguindo pela toca do coelho branco, conversando com o Gato de Cheshire, tomando chá com o Chapeleiro Maluco ou jogando críquete com a Rainha de Copas, Alice não se deixa intimidar, seguindo sempre em frente e procurando respostas para suas inúmeras perguntas. 




2 comentários:

  1. Gosto de todos os que você citou, mas o meu preferido é o Frodo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Gregorio! O Frodo é o meu favorito também...afinal Tolkien é Tolkien né. Difícil ter algo melhor. :D

      Excluir

Bem-vindos ao Mundo Mágico dos Livros!