Resenha: A revolução dos bichos


Autor: George Orwell 
Páginas: 152
Editora: Companhia das Letras
Sinopse: 
Verdadeiro clássico moderno, concebido por um dos mais influentes escritores do século 20, "A Revolução dos Bichos" é uma fábula sobre o poder. Narra a insurreição dos animais de uma granja contra seus donos. Progressivamente, porém, a revolução degenera numa tirania ainda mais opressiva que a dos humanos. Escrita em plena Segunda Guerra Mundial e publicada em 1945 depois de ter sido rejeitada por várias editoras, essa pequena narrativa causou desconforto ao satirizar ferozmente a ditadura stalinista numa época em que os soviéticos ainda eram aliados do Ocidente na luta contra o eixo nazifascista. De fato, são claras as referências: o despótico Napoleão seria Stálin, o banido Bola-de-Neve seria Trotsky, e os eventos políticos - expurgos, instituição de um estado policial, deturpação tendenciosa da História - mimetizam os que estavam em curso na União Soviética. Com o acirramento da Guerra Fria, as mesmas razões que causaram constrangimento na época de sua publicação levaram A revolução dos bichos a ser amplamente usada pelo Ocidente nas décadas seguintes como arma ideológica contra o comunismo. O próprio Orwell, adepto do socialismo e inimigo de qualquer forma de manipulação política, sentiu-se incomodado com a utilização de sua fábula como panfleto.

Resenha:

   Inspirados por um sonho do Velho Major, um porco que já fora premiado em exposições, os bichos da Fazenda Solar resolvem tomar o poder. A revolução estoura e, liderados pelos porcos, os bichos expulsam o dono, Sr. Jones, e começam a administrar a Fazenda. Os Sete mandamentos do Animalismo são escritos na parede do celeiro:


   Finalmente eles estão livres do homem, começam a trabalhar na lavoura, a construir um moinho e aprender a ler. As coisas nunca andaram tão bem, eles trabalham menos e tem mais alimento. As coisas começam a mudar quando os porcos, se achando superiores aos outros animais e tomados pela ambição, começam a usufruir de alguns privilégios, se mudam para a casa grande e começam a negociar com as fazendas vizinhas. 
   Os animais precisam trabalhar cada vez mais para conseguirem cumprir as metas estipuladas pelos porcos, e recebem cada vez menos ração. Usando técnicas sutis de persuasão e um discurso de que “sempre estão pensando no bem de todos”, os porcos conseguem reverter todas as situações de desconfiança e convencer a todos que a fazenda nunca esteve em melhor situação. 
   Alguns mandamentos são distorcidos, ou adaptados, para atender as necessidades dos porcos, e ficam da seguinte forma:


   Os porcos se tornam cada vez mais cruéis, aqueles que contestam sua autoridade são torturados e mortos, os cães são criados por eles desde muito novos e se tornam sua guarda pessoal. Nenhum dos outros animais ousa contestar sua autoridade, as gerações vão passando e a ideia da revolução vai ficando cada vez mais distante e esquecida, as coisas na fazenda começam a ficar cada vez mais parecidas com o tempo em que ela era administrada por humanos. 
   Por ser uma fábula, o livro é muito fácil de ler, ao ir conhecendo os personagens você começa a associar com pessoas reais que viveram e fizeram a nossa história. Muitos dos eventos descritos no livro são chocantes e te deixam um pouco abalado, mas fica ainda pior quando você se dá conta de que aqueles fatos realmente aconteceram e continuam acontecendo. O livro foi publicado em 1945, mas continua muito atual, se você fizer um pequeno exercício mental pode associar cada grupo de personagens com pessoas da atualidade e consegue perceber que a política continua a mesma, mesmo a história remetendo a um passado de quase 70 anos e a um país tão distante quanto a Rússia. 
   Não encontrei erros de digitação do texto, a capa do livro que eu tenho traz a foto de um porco tirada de uma perspectiva que o torna um pouco arrogante, na minha opinião. A capa é simples e impactante. Gostei muito de ler o posfácio dessa edição (Companhia das letras, 2007), escrito por Christopher Hitchens, nele consegui entender melhor quem representava cada personagem e aprendi um pouco mais sobre a história Soviética e alguns acontecimentos que levaram à segunda guerra mundial. Esse livro foi recusado por muitas editoras até ser publicado, em alguns países foi recolhido e queimado, nos Estados Unidos foi usado como panfleto anticomunista e hoje é consagrado na Europa Oriental como uma das primeiras afirmações originais do antitotalitarismo, enquanto isso, continua proibido na China e na Coreia do Norte. 
   O posfácio termina com uma frase que merece destaque: 



6 comentários:

  1. Li esse livro quando era mais novo! Adorei o livro e a sua resenha também! Você já leu o "grande irmão" do mesmo autor?
    Estou seguindo seu blog, se puder siga o meu também!

    Maykon
    http://prasonharecontar.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Maykon, muito obrigada pelo comentário. Sim eu li o romance "1984", pouco antes de ler "A revolução dos bichos", fiquei fascinada com a genialidade do Orwel e consegui identificar algumas coisas que ainda acontecem hoje, na nossa sociedade, e fiquei por uns dias sob influência de uma "teoria da conspiração" desconfiando das coisas que a mídia nos passa e nos fazem acreditar, isso não aconteceu contigo?

      Excluir
  2. Nossa, eu não sabia que esse livro era tão interessante, quero ler para ontem!! Eu ainda não li nada de Orwell, mas posso começar por esse, eu gosto muito quando os autores fazem essas críticas de uma forma inteligente.
    Beijos

    blogfalandodelivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Eva, fico feliz de ter inspirado a tua leitura, esse é o principal objetivo quando escrevemos as resenhas. Se você gostar desse livro já te indico o próximo: "1984", do mesmo autor, ele é bem mais denso e a crítica social bem mais profunda, mas como você disse que gosta desse tipo de crítica, acredito que vais adorar os dois livros, beijos!!!!

      Excluir
  3. Li esse livro para uma prova da faculdade e adorei! Muito sarcástico e pertinente!

    Love, Nina.
    ninaeuma.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Nina, muito obrigada pelo teu comentário! Beijos!

      Excluir

Bem-vindos ao Mundo Mágico dos Livros!