Resenha: O Teorema Katherine



Páginas: 304
Editora: Intrínseca

Sinopse:
Colin conhece Katherine. Katherine gosta de Colin. Colin e Katherine namoram. Katherine termina com Colin. É sempre assim. Após seu mais recente e traumático pé na bunda - o décimo nono de sua ainda jovem vida, todos perpetrados por namoradas de nome Katherine - Colin Singleton resolve cair na estrada. Dirigindo o Rabecão de Satã, com seu caderninho de anotações no bolso e o melhor amigo no carona, o ex-criança prodígio, viciado em anagramas e PhD em levar o fora, descobre sua verdadeira missão: elaborar e comprovar o Teorema Fundamental da Previsibilidade das Katherines, que tornará possível antever, através da linguagem universal da matemática, o desfecho de qualquer relacionamento antes mesmo que as duas pessoas se conheçam. Uma descoberta que vai entrar para a história, vai vingar séculos de injusta vantagem entre Terminantes e Terminados e, enfim, elevará Colin Singleton diretamente ao distinto posto de gênio da humanidade. Também, é claro, vai ajudá-lo a reconquistar sua garota. Ou, pelo menos, é isso o que ele espera.


Resenha:
  Colin Singleton é um adolescente prodígio poliglota viciado em anagramas e Katherines. Após terminar o ensino médio, Colin embarca em uma aventura para tentar esquecer o pé na bunda da sua última namorada (a 19ª Katherine). A ideia de cair na estrada foi de seu amigo gordinho Hassan, um rapaz religioso, super bem humorado e um tanto quanto vadio. Juntos, os dois amigos embarcam em uma viagem sem destino, durante a qual Colin decide elaborar o Teorema Fundamental da Previsibilidade das Katherines para entender porque as suas namoradas terminaram com ele, conseguir prever o futuro de qualquer relacionamento, ficar mundialmente famoso e ganhar um prêmio Nobel e, assim, reconquistar a K-19.
  Logo nas primeiras páginas você se afeiçoa por Colin. A melhor definição para sua personalidade é "um nerd que só quer ser amado (por uma Katherine)" e você vai ficar com pena dele. No entanto, com o decorrer da história, o drama que ele faz em torno da última Katherine se torna insuportável. Imagine a Bella Swan quando o Edward Cullen vai embora, só que na versão gênio masculino: esse é o Colin. 


  Já o seu melhor amigo é uma pessoa adorável. Hassan é aquele tipo de pessoa que todos admiram. É engraçado, inteligente (não tanto quanto o Colin, claro) e muito correto. Pra mim, Hassan foi o principal motivo pelo qual não abandonei o livro depois que o Colin ficou super chato. A história em si é muito boa, mas em algumas partes eu não pude deixar de pensar "O.K., John, já entendemos que o Colin está arrasado e que ele é um gênio. Dá pra mudar de assunto?". 


  Enquanto o Colin pensa sobre o Teorema, aparecem gráficos e fórmulas e isso pode parecer ainda mais chato para quem não gosta de matemática. Também tem uma quantidade absurda de notas de rodapé (87 ao todo, para se exata), o que torna a leitura truncada. Outro ponto negativo é que a partir da metade do livro o fim já fica evidente. Mesmo assim, você fica feliz quando chega ao fim: primeiro, porque Colin para de encher o saco e, segundo, porque você aprende uma lição. O que eu mais gosto dos livros do John é que, quando você termina, fica querendo ser uma pessoa melhor.


  A capa minimalista é fantástica (comprei o livro por causa dela!!) e traz elementos apresentados ao longo de toda a história. A diagramação é simples e não encontrei erros de digitação. No final, é apresentado um apêndice elaborado pelo Prof. Daniel Biss, que é um matemático da Universidade de Chicago, discutindo todo o Teorema que ele elaborou para o livro do seu amigo Green. Mesmo se você não gosta de matemática, leia esse apêndice. É muito divertido!



8 comentários:

  1. Nossa, Gabe, amei a sua resenha! Ainda não li o livro, mas tenho a sensação de que se eu lesse e fosse resenhar, iria escrever a mesma coisa que você escreveu! D: Já li inúmeras resenhas negativas desse livro, mas nenhuma delas diminui a minha vontade de lê-lo, porque o John Green é especialista em escrever histórias que nos tornem uma pessoa melhor, exatamente como você disse! *-*
    Beijos!

    bibliophiliarium.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Tici! Achei vários pontos negativos, mas ainda assim gostei da história. Demorei quase um mês pra ler, mas valeu à pena não abandoná-lo!
      Beijo!

      Excluir
  2. Eu já vi muitas resenhas sobre esse livro e a maioria delas não falou bem dele, a sua é mais uma que entra pra lista rsrsrs, mas sua descrição sobre o teorema me deixou curiosa, é capaz de eu comprar o livro só para saber do que se trata. Beijos

    blogfalandodelivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele é bem interessante, Eva! Como o próprio professor que o elaborou disse, não dá muito certo e não pode ser aceito pela academia como uma teoria de verdade. Mas achei fascinante o fato de terem desenvolvido algo tão complexo só para por em um livro!
      Beijo!

      Excluir
  3. Fiquei amando a resenha, confesso que o livro me surpreendeu porque eu não queria ler de nenhuma maneira. A última citação me tocou profundamente

    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de julho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa é minha quote favorita do livro todo!
      Beijo!

      Excluir
  4. Você é uma escritora incrível, adorei seu blog, o layout é lindo! É óbvio sua opinião sobre o livro, lol

    Amei! Sou o Moretti, do Books For a Tea Time, que agora mudou de nome, :3
    Beijinhos

    www.kindahipsterish.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir

Bem-vindos ao Mundo Mágico dos Livros!